terça-feira, 30 de agosto de 2011

A minha casinha branca

      Há uns vinte anos atrás o meu ideal de felicidade resumia-se quase unicamente ao desejo de um dia possuir uma pequena casa no campo, casa essa que seria branca, com janelas verdes emolduradas de um tom amarelado, daquelas que se vêem no plano Alentejo, vedada com uma cerca alva não muito alta, mas com tamanho suficiente que impedisse a saída de um cão qualquer, cão este que seria de grande porte mas meigo e carinhoso para com os meus dois filhos, filhos que correriam felizes à volta da fantasiada casa, ririam satisfeitos por todo o meu cenário sonhado, fazendo-me sorrir e sentir realizado.

Hoje, volvidas duas décadas deixei de sonhar, pelo menos com casas níveas, cercas brancas e cães grandes e fiéis, pois a vida fez-me tropeçar em muita pedra, muitas deixei para trás, outras carrego-as comigo, pois um dia far-me-ão falta para construir algo.
Filhos, gerei um, mas o destino ditou que outros dois mais caminhassem comigo, umas vezes atrás, outras vezes à frente, mas por vezes ao lado, compartilhando comigo as suas alegrias, as suas tristezas, as suas aventuras, quedas e vitórias.
Eles sempre tiveram plena consciência daquilo que represento na vida deles, mas eu sempre os vi e senti com muito mais apego, pois eles não me viram crescer e desabrochar para a vida como eu tive o prazer de os ver a eles, muito pelo contrário, eles vêem-me a envelhecer, tornar-me demasiado aborrecido e protector, não querem mais a mão que os afagou, pois ambicionam voar sozinhos e sabem-no fazer melhor que qualquer um das suas idades, pois são seres maiores, de uma extirpe superior, educados para o ser assim, não só por mim, mas principalmente por quem lhes deu a vida e os trouxe ao mundo.
Descobri entretanto que a felicidade ou pelo menos aquilo que ela representava para mim não passa pelo materialismo ou aquilo que ele poderá proporcionar, hoje não sonho mais, pelo menos com casas e cercas, mas acordo todos os dias com o desejo de sentir que consegui o resto que ambicionava.

Sem comentários:

Enviar um comentário